sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

2a. Ação de Natal - Ilha da Vitória e Búzios

Visite o site:

www.veleirotukura.com.br

sábado, 29 de outubro de 2011

Ação Dia das Crianças

Olá

Visite o site do Veleiro Tukurá www.veleirotukura.com.br e veja os relatos da Ação do Dia das Crianças, realizada na Ilha do Montão de Trigo e da Praia da Caçandoca.

Bons Ventos

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Boas Notícias da Ilha dos Búzios

Recebi hoje a notícia que a Prefeitura da Ilhabela reparou o sistema de placas solares da comunidade de Guanchumas na Ilha dos Búzios.
Quero agradecer aos responsáveis pelo conserto.
Valeu pessoal!

domingo, 17 de abril de 2011

Ação de Páscoa

16 de Abril de 2011:

As vezes a correnteza contra e o forte vento pela proa nos faz desanimar da nossa travessia.
Da mesma forma a vida nos impõe dificuldades que abalam nossas estruturas.
O mar grosso faz o nosso casco ranger, nosso mastro envergar e nossas velas rasgar. Tememos o naufrágio!
No meio de uma travessia, não há como desistir ou como se esconder. Temos que enfrentar. Temos que confiar em nossa capacidade de suportar e acreditar na infinita bondade do Nosso Pai.

Diante das dificuldades da vida, só nos resta enfrentá-las de frente.
Contra a tristeza, devemos buscar a alegria nas pequenas coisas da vida.
Contra a fraqueza que nos abate, há de existir a tal força vital para nos salvar desta impotência.
Contra o desânimo, algumas doses de sonho e de realidade (sempre tem alguém que está em situação pior que a nossa).

Eu estava desanimado e pensava em desistir da ação de Páscoa. Então me dei conta que deveria superar isto, indo para cima do desanimo, atropelando as barreiras que se encontravam na minha frente.

Graças à Deus não desisti!

Novamente com a ajuda dos colegas de trabalho e de alguns amigos de bom coração, consegui apoio para comprar os 120 ovos de Páscoa.
Enchi o bom e velho Honda FIT com as caixa de ovos de Páscoa e segui confiante para Ubatuba.


Desta vez o local escolhido para a entrega dos presentes foi a Praia do Camburi ao norte de Ubatuba, bem na divisa de SP com o RJ.

A comunidade do Camburi é formada por descendentes de Quilombolas.



Camburi tem uma única escola para atender as crianças até a 5a. série. As crianças maiores estudam em outra escola distante de lá.

Após uma visita no local uma semana antes da ação, consegui confirmar as informações necessárias para organizar o evento de entrega dos ovos de Páscoa.
Com a habitual ajuda do Luizito da Secretaria de Educação de Ubatuba, do Juscelino diretor da escola do Puruba, da Cati diretora da escola do Camburi e da Vanuza, líder da comunidade do Camburi, foi possível organizar uma festa no Centro Comunitário do Camburi.

Desta vez o Tukurá não navegou sozinho nesta. Tivemos a participação do projeto Velejando com Deus, dos velejadores Marcio, Daniela e Gabrielzinho. http://www.velejandocomdeus.com.br/
A tripulação do Tukurá foi composta por mim e pela minha irmã Selma.


Chegamos tarde em Ubatuba e carregamos o Tukurá de madrugada.


Combinamos zarpar do Saco da Ribeira bem cedo para chegar antes do meio dia no Camburi.


O dia estava perfeito para navegar e para fazer a festa.
Se Deus é brasileiro eu não posso afirmar, mas com certeza Ele é marinheiro!


Foram 4 horas de navegação até o Camburi. No trajeto passamos por algumas das ilhas de Ubutuba.


Saímos um pouco antes do Bora-Bora, mas fomos alcançados pouco antes de chegar na Ilha das Couves.


Chegamos juntos na Praia do Camburi por volta da 11:00 hs. Descarregamos os ovos de Páscoa com a ajuda dos locais.


A ancoragem no Camburi foi tranquila.


Depois de um almoço delicioso a bordo do Bora-Bora, partimos para o trabalho.

Eu o Márcio e Vagno, descarregamos os equipamentos para as apresentações da equipe Velejando com Deus.

A equipe do Velejando foi formada pelo Marcio, sua esposa Daniela, pelo pequeno Gabriel, pelos amigos Vanessa, Camila e Vagno.
A Camila e a Daniela se vestiram de palhaço e deram os primeiros cumprimentos as crianças da comunidade.


O campo de futebol foi o ponto de encontro com as crianças.


Tivemos um enorme apoio da Vanusa (a minha direita) e da Gugu. Elas organizaram tudo na comunidade para realizarmos a ação.


O Velejando com Deus realizou algumas palestras para as crianças e adolescentes. Falaram sobre Ecologia, Amazônia Azul e orientaram as crianças sobre a necessidade de fazer uma correta escovação dental. Também deram kits de higiene bucal para todas as crianças.


As crianças menores ficaram mais interessadas do que as maiores. Mas a expectativa era mesmo a de ganhar os ovos de Páscoa!


Os menores também participaram mais. Alguns tinham as respostas às perguntas do Márcio, bem na ponta da língua.



Depois das palestras rolou um teatro. A equipe polivalente do Velejando se transformou em atores.


O tema foi sobre a violência, drogas, alcoolismo e a futilidade.
O projeto Velejando com Deus aborda estas questões de forma clara e simples. Mas sempre baseando-se nos preceitos de Deus.


Após a apresentação da peça, foi dado início a distribuição dos Ovos de Páscoa.
Rapidamente a Daniela se transformou de atriz para a Coelhinha da Páscoa.

Houve uma certa preocupação de não ter ovos de páscoa para todos. A lista continha 105 crianças, levei 120 ovos para não faltar. Além das crianças da comunidade, apareceram algumas de fora. Não faltou para ninguém!

Depois dos ovos rolou a entrega dos cachorros quentes.
Com a doação de 210 pães de hot dog e 200 mini bolinhos pela empresa Fresquito de Mogi das Cruzes www.fresquito.com.br foi possível preparar os gostosos hot dogs da Selma.

A Gugu, uma moça da comunidade, auxiliou na organização da entrega.


Missão cumprida!



Só me resta deixar o meu MUITO OBRIGADO ao pessoal do Velejando com Deus.
Foi uma grande oportunidade de aprender e compartilhar esses bons momentos que tivemos.

Obrigado aos amigos que me ajudaram e confiaram nas boas intenções desta ação.

O resultado? Podemos ver pelo sorriso de uma criança!

Bons Ventos

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Cestas Básica no Rio Escuro

27/12/11 - Rio Escuro - Ubatuba

Desta vez não soltamos amarras e navegamos com o Tukurá.
Haviam sobrado 15 cestas básicas e vários brinquedos do Natal.
Descobri por um colega de Ubatuba que havia um bairro muito pobre próximo ao Saco da Ribeira. O bairro é o Rio Escuro, onde se encontram muitas famílias necessitadas. O que eu tinha para dar era pouco para sair entregando sem direção. Então este colega me falou do Sr. Moura, que é o líder comunitário do bairro.
Peguei a dica e lá fomos nós. Eu, Angela e a Isabelinha.
Encotrei a casa do Moura facilmente, pois ele é bem conhecido lá. O Moura e sua esposa fizeram uma lista de nomes com as 15 famílias mais carentes. Além disso ele nos acompanhou casa por casa.
Bem ao lado da casa dele já havia uma jovem família que estava passando dificuldades.

Na beira da estrada encontramos outra pessoa que morava em uma construção abandonada.

Segundo o Moura este homem era um excelente pedreiro que tinha uma vida boa com a família e por causa do alcoolismo perdeu o caminho da vida.

Encontramos em outra casa um varal enorme que indicava que a família era grande e com muitas crianças.

Bairro pobre, sem infraestrutura, casas humildes e outras não tanto assim. Dá para perceber que a pobreza não é só pela falta de dinheiro, mas também pela de vontade e de motivação, que muitas pessoas tem de melhorar na vida. Falta força e disposição para trabalhar. É um crítica dura, mas é comum encontrarmos pessoas ociosas vivendo no meio de sujeira ou em bares.
O Moura ia nos falando sobre a vida de cada uma das pessoas que iríamos visitar. Exemplos de coragem e de força de vontade não faltaram. Estes exemplos dão dimensão de quanto nós somos privilegiados com a vida que temos.

Nesta pequena casa vive uma moça com duas filhas. Uma delas portadora de necessidades especiais. A mãe não estava. A filha mais nova, de uns 7 anos, cuidava da irmã de uns 10 anos, que é altista.
Levamos a Isabela para conhecer as crianças.

Entregamos todas as cestas e presentes para as crianças e retornamos para a casa do Moura.
Conversamos bastante sobre os nossos problemas. Eles estavam ainda muito abalados pela perda de um filho. Um menino de 14 anos que faleceu subtamente por um ataque cardíaco.
Foi muito duro ouvir toda aquela história, sentir aquela dor, projetar aquela angustia em nossa própria realidade. Mas por outro lado, saímos mais fortes e felizes por ter a nossa Belinha do nosso lado.
Renovamos nossa fé em Deus, que nos deu aquela injeção de confiança e de esperança.
Novamente senti aquela gostosa sensação de bem estar, com a realização da Ação de Natal.
Bons Ventos